Renata Pruner, Advogado

Renata Pruner

Balneário Camboriú (SC)
9seguidores100seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Advocacia e Consultoria Jurídica - Direito Civil, Consumidor e Família/Sucessões
​Advogada e Consultora em Balneário Camboriú/SC.
Inscrita na OAB/SC 48.807



• Membro da Comissão de Direito de Família;

• Membro da Comissão da Criança e do Adolescente;

• Membro da Comissão de Direito do Consumidor;

• Pós-graduanda em Direito Civil Avançado.



Rua 1.926, nº 306, sala 02

Centro - Balneário Camboriú/SC

CEP 88330-478

47.3367 3162/ 99949 6964(WhatsApp/Tim)

Principais áreas de atuação

Direito do Consumidor, 25%

Conjunto de normas jurídicas que regem as relações entre empregados e empregadores, são os direit...

Direito Processual Civil, 25%

É o ramo de estudo tradicionalmente voltado à a atividade de jurisdição de um Estado soberano no ...

Direito de Família, 25%

É o direito que indivíduos ou organizações têm de controlar o acesso a recursos ou ativos de que ...

Direito Civil, 25%

É o ramo do direito público interno dedicado à análise e interpretação das normas constitucionais...

Recomendações

(112)
Vitor Pécora, Advogado
Vitor Pécora
Comentário · há 10 dias
Com todo o respeito a pessoa e aos nobres colegas com posicionamento contrário, penso que a pessoa tem direito de processar, mas o risco de perder a ação é alto. O consulente relata: "Sofri um acidente grave, [...]!" No caso em discussão o que se deve ter em mente é o consentimento. Sabe-se que para qualquer intervenção médica o consentimento do paciente deve ser o mais claro possível. O médico e o hospital devem se empenhar para que o paciente saiba tudo o que acontecerá no procedimento e ao mesmo tempo conceda sua autorização (Art. 15. do Código Civil: Ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica.) A mesma importância é dada pelo Código de Ética Médica em seu artigo 22: É vedado ao médico: Deixar de obter consentimento do paciente ou de seu representante legal após esclarecê-lo sobre o procedimento a ser realizado, salvo em caso de risco iminente de morte. Como se percebe, É VEDADO ao médico deixar de ESCLARECER e OBTER O CONSENTIMENTO. Porém, em contrapartida, sabe-se que a atividade médica tem como objetivo principal cuidar e salvar vidas. É um dos princípios básicos do Código de Ética. Percebe-se que ao final do artigo 22 encontra-se "[...], salvo em caso de risco iminente de morte". Assim, mesmo sem autorização, o hospital, julgando ser caso de risco de morte procederá com tratamentos urgentes sem poder esperar uma autorização, onde muitas vezes "o tempo" é essencial para se diferenciar entre a vida e a morte. Caso não seja o caso do consulente, a ação deve ser direcionada ao médico e ao hospital, porém, é um assunto que demanda muitos detalhes, difícil de se abordar num único tópico.

Perfis que segue

(100)
Carregando

Seguidores

(9)
Carregando

Tópicos de interesse

(100)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em Balneário Camboriú (SC)

Carregando

ANÚNCIO PATROCINADO

Renata Pruner

Rua: 1.926, sala 02, Centro - Balneário Camboriú (SC) - 88330-478

(047) 3367-31...Ver telefone

Entrar em contato